Início » Atração » Fauna de Abrolhos

Fauna de Abrolhos

Baleias

A baleia jubarte (Megaptera Novaeangliae) é uma espécie que habita todos os oceanos. São animais migratórios que se deslocam anualmente das áreas de alimentação em altas latitudes, para as áreas de reprodução nos trópicos e sub-trópicos. Costumam se reproduzir no Brasil (Bahia) e passar o verão nas proximidades da Antártida, se alimentando de krill – um minúsculo tipo de crustáceo parecido com um camarão pequeno.

Uma jubarte adulta chega a medir 16 metros de comprimento e pesar até 40 toneladas. Um dos meios de reconhecê-la é pelas nadadeiras peitorais brancas e muito grandes em relação ao tamanho do corpo – podem chegar a até um terço do comprimento total do animal.

A gestação de uma jubarte dura aproximadamente um ano e o filhote, que já nasce com cerca de 3 metros de comprimento, podendo pesar até três toneladas, mama cerca de 200 litros de leite por dia durante o primeiro ano de vida.

A caça a baleia no Brasil é proibida desde 1987, após mais de uma década de campanha e de militância das organizações em defesa das baleias contra os interesses de empresários e políticos ligados à indústria baleeira.

Segundo a IUCN e o Plano de Ação para Mamíferos Aquáticos do Brasil (IBAMA – 97/2001), a baleia jubarte está classificada como vulnerável e incluída na lista oficial de espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção (Portaria IBAMA 1522 de 10/12/1989). De uma população original estimada em 250 mil em todos os oceanos restam aproximadamente 35 mil indivíduos.

 

Aves

Os Atobás (Sula Dactylatra) são as aves predominantes no arquipélago de Abrolhos. Para pescar os peixes de que se alimentam, os atobás podem mergulhar até 8 metros no mar. Eles desenvolveram esta capacidade devido a uma glândula que possuem abaixo das penas da cauda. Ao passar o bico em uma glândula produtora de gordura, e esfregá-lo pelo corpo ele impermeabiliza suas penas. Após concluir o trabalho de impermeabilização, ele mergulha, pega seu alimento e já sai da água seco, pronto pra começar a voar novamente.

Os Atobás também costumam ficar com o bico aberto para a entrada de ar. De acordo com pesquisadores, este movimento acontece para que ele se aqueça após os mergulhos.